Pesquize em toda a Web

Empresários esperam crescimento sustentável do mercado imobiliario de BH

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Ao que tudo indica, o mercado imobiliário de Belo Horizonte está caminhando para uma acomodação, depois de um crescimento recorde nos últimos anos, em especial 2009 e 2010. Essa acomodação, no entanto, não está desanimando os empresários do setor. Ao contrário, o que se acredita é que o mercado entrará agora numa rota de crescimento sustentável.

As sondagens nacional e estadual realizadas com empresários da construção ratificam esse sentimento. A nacional, divulgada na semana passada pela Confederação Nacional da Indústria e Câmara Brasileira da Indústria da Construção, detectou que as expectativas quanto ao nível de atividade para os próximos seis meses marcou 57,4 pontos em outubro, ante 57 pontos em setembro. E a expectativa em relação a novos empreendimentos e serviços ficou em 57,5 pontos em outubro, no mês anterior era de 56,7 pontos.

Já a última sondagem mineira, divulgada pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais e Sinduscon-MG, mostra que, ao alcançar 52,9 pontos, as condições atuais de negócios das empresas pesquisadas em setembro, ficaram 7,8 pontos acima dos resultados de agosto. Esse resultado positivo foi alavancado especialmente pela melhora na percepção do empresário em relação às condições de negócios na própria empresa.

Também o Índice de Confiança do Empresário da Indústria da Construção voltou a crescer em setembro e atingiu 58,8 pontos, número superior ao de agosto em 4,6 pontos. O índice é maior também que o de setembro de 2011, quando era de 57,6 pontos. Destaca-se que valores acima de 50 indicam situação melhor ou expectativa otimista.

Esse maior otimismo do empresário é totalmente justificável. É esperado melhor desempenho das suas atividades em relação ao que se observa atualmente, pois existe forte sinalização de retomada econômica no terceiro trimestre e as estimativas são mais positivas para o último trimestre e também para 2013.

Além disso, o mercado imobiliário não deverá passar por transformação radical, pois os elementos necessários para o seu maior dinamismo continuam presentes: o país continua gerando emprego formal, a taxa de desemprego permanece em patamares baixos, a renda continua crescendo, existe demanda (déficit habitacional elevado) e existe crédito e em melhores condições, especialmente considerando a redução dos juros do financiamento imobiliário e a ampliação dos prazos, entre outros aspectos.

Aliás, em relação ao crédito imobiliário, um dado que demonstra que o mercado vai bem é o aumento de 36,2% na liberação de financiamentos da Caixa Econômica Federal na comparação de 1º de janeiro a 23 de outubro de 2012 com o mesmo período de 2011, e a expectativa do banco é de atingir a marca recorde de R$ 100 bilhões de empréstimos para a casa própria no fim deste ano.

Todos esses fatores – otimismo do empresariado e condições positivas da economia – deverão contribuir para reverter a queda de aproximadamente 20% nas vendas e lançamentos imobiliários de Belo Horizonte dos primeiros oito meses deste ano, comparados ao mesmo período do ano passado. Esses resultados negativos explicam-se pela incerteza que permeou a economia nacional e internacional no período de abril a junho de 2012.

Assim, o que se espera é que a recuperação do mercado de imóveis da capital se fortaleça nos próximos meses em função da melhora gradual da atividade econômica. Como dito anteriormente, vários indicadores sinalizam que a performance da economia neste segundo semestre será melhor do que a observada nos primeiros meses do ano e isso pode se refletir positivamente no nosso segmento.

* Vice-presidente de Comunicação do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG)

0 comentários:

Postar um comentário

  © Blogger template On The Road by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP