Carlos Roberto
Hotel Comfort Confins
Obras do Hotel Comfort Confins estão a todo vapor

Os números e as previsões parecem coisa da China. Mas o endereço é o Vetor Norte da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), onde estão nove municípios, a Linha Verde, o Centro Administrativo e o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, ‘morador’ mais ilustre. Com projeção de, até 2030, receber investimentos privados da ordem de US$ 21,9 bilhões, ter um Produto Interno Bruto (PIB) de cerca de US$ 172 bilhões – montante equivalente ao atual PIB de todo o Estado –, gerar 400 mil postos de trabalho e abrigar um contingente de 1,4 milhão de habitantes, a região credenciou-se como o novo eldorado para empresas e indústrias.
 
“É uma oportunidade de ocupação única na América Latina”, diz Astrid Dias Assis, diretor executivo da Associação dos Desenvolvedores do Vetor Norte da RMBH (AV Norte), que conta com 25 empresas associadas. Os primeiros a chegar foram os investimentos hoteleiros e voltados para moradia. De uns tempos pra cá, porém, cresceram os espaços dedicados a condomínios comerciais e industriais, dando um outro tom à paisagem local.
 
“Em função da duplicação da rodovia, da expansão do terminal de Confins e da promessa do Aeroporto Indústria e do Rodoanel, as indústrias têm cobiçado terrenos na região. Ao longo da Linha Verde, dá para ver que vários galpões estão sendo montados. E tudo vem acompanhado de aumento dos preços”, afirma o presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Minas Gerais (Creci-MG), Paulo Tavares.
 
Segundo ele, há três anos era possível pagar de R$ 50 a R$ 60 pelo metro quadrado em áreas comerciais. “Hoje, isso é impensável”, diz, sem especificar um percentual de aumento. Os aluguéis também tiveram alta significativa. “Atualmente, os preços variam de R$ 13 a R$ 18 o metro quadrado. Quanto melhor a infraestrutura, mais caro”, diz Wilson Garbero, diretor da Almi Imóveis, em relação aos espaços de mil a 15 mil metros quadrados.

Ocupação
 
O empresário ainda comemora os 100% de ocupação do condomínio CLD Confins, em Vespasiano, conquistados em tempo recorde. Restam agora na sua carteira menos de seis galpões. Todos eles estão localizados na região, mais precisamente nas intermediações da Cidade Administrativa. “A procura explodiu”, assegura.(HojeEm Dia)