Pesquize em toda a Web

Preço do aluguel supera inflação em BH

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

O aumento médio dos aluguéis residenciais e comerciais em Belo Horizonte fechou 2010 com índices bem acima da inflação medida na capital no ano passado, conforme estudo divulgado ontem pela CMI/Secovi-MG, em parceria com o Instituto de Pesquisas Econômicas e Administrativas (Ipead) da UFMG. Enquanto o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) na capital ficou em 5,68%, a média dos aluguéis alcançou os dois dígitos. A dos residenciais subiu 13,02%. Já a dos comerciais saltou 16,51%.

Em relação ao indicador usado como referência na maioria dos contratos de aluguel – Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) –, a alta de preços em BH também superou o acumulado do índice calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que encerrou 2010 com alta expressiva de 11,32%, a maior taxa desde 2004 (12,41%).

A disparidade entre a inflação e o aumento médio das duas categorias de aluguel se deve à principal regra do mercado: a lei da oferta e da procura. O aumento do preço do residencial, por exemplo, é explicado pela queda de 7,64% dos imóveis disponíveis para locação. No caso do comercial, a oferta caiu 3,3%. “Prevíamos um aumento pouco menor na alta dos aluguéis, pois acreditávamos que o ingresso das novas unidades fosse capaz de melhorar o casamento entre oferta e demanda. Contudo, o mercado comprovou que não foi suficiente”, afirma o presidente da CMI/Secovi-MG, Ariano Cavalcanti.

Para atrair proprietários interessados em alugar seus imóveis, as empresas não economizam na criatividade. A Lar Imóveis oferece o pagamento adiantado de três meses de aluguel ao dono que deixar seu imóvel para ser alugado pela imobiliária. O presidente da empresa, Luiz Antônio Rodrigues, acredita que o programa aumentará o volume de transações em 20% em 2011 em relação a 2010.

Os negócios do setor em dezembro ilustra bem o que ocorreu durante todo o exercício passado. Nos últimos 31 dias de 2010, o valor do aluguel residencial subiu 0,68%, puxado pela queda de 2,13% dos imóveis disponíveis para locação. Já a inflação cresceu bem menos: 0,33%. Naquele mesmo mês, as casas tiveram a maior variação (1,67%), seguidas pelos barracões (0,89%) e apartamentos (0,51%).

No caso deste tipo de residência, o preço que mais oscilou foi o das unidades populares (1,42%). Em seguida, as do padrão médio (1,06%), acompanhadas pelos apartamentos de padrão alto (0,55%) e luxo (0,14%). O valor do aluguel comercial, também em dezembro passado, obteve alta de 0,62%, devido à queda de 4,71% da quantidade de unidades colocadas para locação.(Estaminas-Uai)

0 comentários:

Postar um comentário

  © Blogger template On The Road by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP