Pesquize em toda a Web

BH: Construtoras cobiçam terreno do Clube do América no Bairro Ouro Preto

sexta-feira, 19 de novembro de 2010


Centro de Lazer no Bairro Ouro Preto pode virar empreendimento imobiliário (Maria Tereza Correia/EM/D.A Press)
Centro de Lazer no Bairro Ouro Preto pode virar empreendimento imobiliário

Piscinas, quadras, sauna, ginásio poliesportivo, campo de futebol e espaços de lazer podem dar lugar a um empreendimento imobiliário. O terreno do Centro de Lazer do América (CLAM), no Bairro Ouro Preto, Região da Pampulha, é cobiçado por cerca de 10 construtoras que pretendem levantar prédios na Rua Mantena, onde funciona o clube. O presidente do América, Marcos Salum, nega que o clube tenha sido vendido, mas confirma o interesse das empresas em adquirir o terreno. Moradores do bairro, contudo, afirmam ter participado de um pesquisa de opinião sobre o possível empreendimento.

A possível transformação do espaço divide opiniões. Quem mora próximo ao local teria respondido a um questionário sobre o possível interesse da MRV Engenharia na compra da área. Segundo moradores, a pesquisa descreve o empreendimento como um condomínio de cerca de 250 apartamentos de dois quartos, com uma vaga de garagem. A moradora da Rua Mantena, Fabiana Moreira Camargos, afirma que foi procurada por uma agente da prefeitura e respondeu à pesquisa se manifestando contra o empreendimento. A Prefeitura de Belo Horizonte afirma que não fez esta pesquisa, pois a PBH não aplica questionários a moradores.

O presidente do América afirma que qualquer pergunta feita com os moradores do bairro não partiu do clube. “Por enquanto tudo é especulação, o fato de o América ter vendido o terreno é uma inverdade”, diz Salum. Segundo ele, a venda do espaço é uma questão complexa, que envolveria os 300 conselheiros do clube. “Não estamos fugindo da possibilidade de vender, mas estas coisas não caem do céu”, afirma. Antes de qualquer avaliação de proposta ou estudo de possibilidade de negócios, os conselheiros precisam se reunir numa assembleia para decidir o futuro do CLAM. O presidente acredita que a melhor opção para o terreno seria um leilão. Para ele, o interesse das empresas no centro de lazer é por causa da boa localização.

De acordo com Salum, o América tem muitos patrimônios que precisam ser transformados em negócios para render dinheiro. “O que faz um clube é a renda, o América precisa de renda”, afirma. Segundo o presidente, a arrecadação do centro de lazer é muito pequena, o que faz a administração pensar em propostas de fazer do clube um outro empreendimento. “O América tem planos ambiciosos para transformação do centro de lazer. Está sendo estudado em plano macro para o CLAM.”, afirma. Sobre estas ambições, o presidente citou a possibilidade de fazer sociedade com alguma empresa interessada no terreno.

Sobre as empresa interessadas, Salum disse que a MRV Engenharia não é uma das organizações que apresentaram propostas. Segundo ele, os negócios do América com a MRV estão em outro terreno, no Bairro Três Barras, em Contagem, Região Metropolitana de BH. Procurada pelo Jornal, a MRV declarou que não comprou o terreno do CLAM. Em nota, a construtora informou que "não fala sobre empreendimentos em negociação, mas a empresa tem potencial de compra dos bons terrenos à venda em Belo Horizonte e Região Metropolitana". Salum confirmou o interesse da Direcional Engenharia. A construtora informou, por meio da assessoria, que não tem conhecimento sobre o assunto. (EstadodeMInas)

0 comentários:

Postar um comentário

  © Blogger template On The Road by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP